Um homem célebre sem qualidades

Por Ernani Terra©

O ano que termina foi excepcional para mim: dois livros publicados, dois outros prontos para serem lançados em 2018, três artigos publicados, congressos, viagens, novos amigos. Não posso reclamar que ele termine para mim um pouco melancólico. A melancolia me traz à memória o Pestana, “Ah! o senhor é que é o Pestana?”. Esse Pestana é o Pestana, compositor de polcas, personagem do conto Um homem célebre, de Machado de Assis, que começa exatamente pela frase que reproduzi anteriormente. Se ainda não leram esse conto, corram fazê-lo.

Um dos livros que lancei este ano chama-se O conto na sala de aula. Mas esse conto não está lá. Ainda bem! Não quis tomar para mim a responsabilidade de fazer a seleção dos contos do livro, pois ia acabar me dedurando. Ainda bem que Jessyca Pacheco, que escreveu o livro comigo e selecionou os contos que entraram nele, não escolheu Um homem célebre. Alívio para mim. Mas como um criminoso que não consegue conviver com o crime e precisa confessá-lo para purgar a culpa, senti uma comichão danada de confessar não um crime à moda de Raskolnikov, mas um pecadilho.

O Pestana de Um homem célebre é uma personagem que me encanta. Sinto uma total empatia por ele, por seu sofrimento silencioso, por sua incapacidade de transformar o que sente em música. Não que ele fique abúlico por causa disso, ele produz, e muito, mas algo diferente do que gostaria. Suas obras são muito bem aceitas por  todos. Gostam muito do que ele compõe, tem o reconhecimento público, faz sucesso. Passou a ser um homem célebre. Vejam que a frase que inicia o conto, dita por um interlocutor já apresenta Pestana como alguém famoso.

Mas, como diz o Bruxo em outro conto célebre, temos duas almas: a exterior e a interior. O que as pessoas veem no Pestana é a sua alma exterior. Em O Espelho, a alma exterior eliminou a interior. Em Um homem célebre, isso não ocorre, Pestana sofre com esse reconhecimento da sua alma exterior, pois o que veem nele está longe de representar o que ele é. Sofre muito com isso. “Vida, graça, novidade, escorriam-lhe da alma como uma fonte perene”. Pestana casa-se com uma viúva de 27 anos e boa cantora, que morre dois anos após. Nem os momentos bons do casamento, nem a tristeza pela morte da esposa fazem com que aquilo que está recôndito se materialize, ganhe expressão.

É uma dor terrível passar a vida sem encontrar uma expressão material que dê forma ao sentido. Sem expressão, o sentido se torna um sem-sentido, uma massa amorfa,  Não achar cores, sons, formas, para mostrar a alma interior e ter a facilidade de encontrar a matéria para expressar algo que não corresponde ao verdadeiro sentido da vida é a tragédia a que está condenado Pestana.

Admiro Pestana porque, ao contrário do que estamos acostumados a ver por aí, ele nunca renunciou à busca da expressão para aquilo que ela julgava que era seu verdadeiro eu. Pestana tem consciência de sua incompletude. Os anti-Pestanas, ao contrário, preferem ficar com a celebridade, tão efêmera quanto a própria vida.

Acho que vou pular de Machado para Musil: o tijolaço de O homem sem qualidades está olhando para mim, dizendo: “Decifra-me ou devoro-te”.

Vale!

PS.: esta crônica, a última de um bom ano, é dedicada à Jessyca Pacheco, a quem agradeço por não ter lembrado desse conto para incluir no livro. Que em 2018 os sentidos verdadeiros encontrem sua materialização em expressões sublimes. Até lá!

 

 

Intimidade

Por Ernani Terra©

Este post é sobre um conto que mergulha no universo feminino. Trata-se de um conto erótico que vê duas mulheres na intimidade,  aliás esse é o nome do conto, Intimidade. A autora é uma mulher, evidentemente, Edla Van Steen. O conto faz parte do livro O prazer é todo meu: contos eróticos femininos  e, posteriormente, foi incluído na antologia Os cem melhores contos brasileiros do século, organizada por Italo Moriconi.

A narração é feita por um narrador que não participa dos acontecimentos cuja função é mais de articular o fio narrativo e dar voz às personagens que mantêm um diálogo no conto. As personagens interlocutoras são duas mulheres casadas, Ema e Bárbara, amigas inseparáveis a ponto de resolverem ter os filhos na mesma época e no mesmo hospital. Os acontecimentos ocorrem na casa da primeira.

Por se tratar de conto erótico, mais sugere do que mostra. As amigas conversam sobre o cotidiano delas, após Ema ter posto os filhos para dormir. Ema admira Bárbara, considera-a mais sábia que ela. Ambas chegaram até pensar em morar numa mesma casa (os maridos também eram amigos inseparáveis). A conversa corre normalmente, quando Ema percebe que o fecho de seu sutiã arrebentou. Bárbara tenta em vão fechá-lo. A conversa muda de rumo. Ema pergunta a Bárbara se seus seios não são grandes demais. Ao que Bárbara responde que os dela são maiores. Resolvem subir para se despirem e medirem os seios. As duas se despem e Ema admira a beleza de Bárbara e reconhece que os seios da amiga são maiores. Ema acaricia Bárbara que sente um arrepio. “Eram tão raros os momentos de intimidade e tão bons”, diz o narrador. Bárbara pergunta a Ema que horas são. Ao ouvir que são 11 horas, avisa que tem de ir embora, pois é tarde. Despedem-se. Ema vai dormir com o sentimento de quem descobre que sabe voar. Por quê?

Sugiro a quem não leu o conto que o leia, de preferência na intimidade. Do ponto de vista da estrutura narrativa, temos duas mulheres que buscam a mesma coisa. Cada uma delas possui o que a outra busca. Esse é o primeiro passo para troca e isso só pode ocorrer no espaço da intimidade, que permite a intensidade das relações entre Ema e Bárbara. A nudez dos corpos e as carícias ganham sentido no espaço da intimidade. Antes, o afeto era apenas potencialidade.  O conto nos faz refletir no percurso daquilo que existe em potência, que se realiza, pela negação de valores para afirmação de outros. A realização daquilo que era apenas potência dá a sensação de que aprendemos a voar.

O post de hoje vai para uma amiga com um beijo de agradecimento por ter me ajudado a perceber que é possível aprender a voar. E eu estou aprendendo, humildemente.

PS: sobre esse conto publiquei no último número da Revista Todas as Letras, o artigo Espacialização e sentido em Intimidade, de Edla Van Steen: uma análise semiótica, escrito em co-autoria com Jessyca Pacheco. Nele, analisamos o conto sob a perspectiva do espaço em que ocorrem os acontecimentos e mostramos que o espaço da intimidade (o quarto) se opõe ao espaço social (a sala). Esses espaços correspondem, respectivamente, às categorias liberdade e opressão. Para quem tiver interesse em ler o artigo, segue o link.

http://http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/tl/article/view/9220/67