O jogo da carona, de Milan Kundera

Tempo de leitura: 2 minutos

Neste artigo, falo do conto O jogo da carona, do livro Risíveis amores (Companhia das Letras, 2012), do escritor checo Milan Kundera.

Sobre este livro, Kundera diz algo que A. J. Greimas dizia a seus alunos. O ensinamento de Greimas chegou até mim pela voz de uma de suas discípulas, Diana Luz Pessoa de Barros, que me deu a honra de supervisionar pesquisa que desenvolvi sobre o discurso da interdição na obra Crônica da Casa Assassinada, de Lúcio Cardoso.

Diana conta que Greimas dizia que as pessoas só têm o direito de ser eclético até os 30 anos. Kundera diz o mesmo com as seguintes palavras a propósito de Risíveis amores.

“Até os trinta anos, escrevi várias coisas: música, sobretudo, mas também poesia e até uma peça de teatro. Trabalhava em várias direções diferentes – buscando minha voz, meu estilo e a mim mesmo. Com o primeiro relato de Risíveis amores (escrevi-o em 1959), tive a certeza de ‘ter-me encontrado’. Tornei-me prosador, romancista, e não sou nada mais que isso”.

Mas vamos direto aos finalmentes. Em Risíveis amores, Kundera traz sete contos muito bons, mas um mexeu muito comigo, O jogo da carona. Ao contrário dos outros seis, esse conto nada tem de risível, pelo contrário, é bastante violento. Uma violência que surge de uma brincadeira entre namorados. Que namorados já não brincaram de interpretar papéis, de assumirem cada um uma personagem? Esse tipo de jogo tem a ver com o jogo da sedução. A máscara tem um caráter desinibitório, na medida em que quem fala se esconde atrás da personagem. Pois o casal começa um jogo desse tipo. Um jogo em que se joga a sedução de um pelo outro. As personagens crescem e vão eclipsando os jovens namorados, que de repente não são mais eles próprios, mas as personagens que resolveram interpretar no jogo. E um jogo não se pode parar no meio, tem de ser jogado até o final. Num determinado momento, o jovem já não vê mais a namorada, mas a personagem que ela representa. As coisas começam a ficar tensas e violentas. Ela quer que o jogo termine e eles voltem a ser eles mesmos, mas o rapaz já não consegue mais separar a namorada da personagem e vai levar o jogo até o fim.

Uma porrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *