Carmen, de Prosper Mérimée

Tempo de leitura: 1 minuto

Sempre gostei da Carmen, de Bizet, embora não conheça o libreto. Achei o filme do Saura ótimo. Depois de muito tempo vim a conhecer o original, a novela Carmen, de Prosper Mérimée. 

A novela está no livro Carmen e outras histórias, numa edição comentada muito bem cuidada, encadernada em capa dura, publicada pela Zahar. A tradução é de Mario Quintana. O livro traz contos e novelas.

Prosper Mérimée

Todas as histórias são muito boas. Para terem uma ideia, o conto que abre o livro é Mateus Falcone, ambientado na Córsega. A novela Carmen, bastante conhecida em decorrência das adaptações para ópera e cinema, é simplesmente fantástica. Além disso, Mérimée (1803 -1870), terminada a história, nos brinda com uma aula de linguística, ao comentar a língua dos ciganos, origens, variedades, relações entre os usuários dessa língua com línguas nacionais dos países por onde passam etc.

Tudo isso já colocaria a novela entre as melhores que li, mas há nela algo que transcende a tudo: Carmen, a cigana. Linda, sensual, demoníaca. É impossível um homem não se apaixonar por ela. E, se isso acontecer, ferrou-se. Carmen apodera-se da alma, não há como escapar dela. Acho que todo homem procura sua Carmen; muitos, quando a encontram, se borram todo. Os que têm coragem de seguir com ela vão viver o paraíso, mas terão de pagar com a morte. E não é por falta de aviso, pois a cigana adverte: “Se eu te amar, tome cuidado”. Todos sabem o que aconteceu com José: vendeu até sua alma, mas isso ainda foi pouco.

A epígrafe que Mérimée dá à novela é uma frase das Palladas, Antologia grega.
“Toda mulher é como o fel; mas tem duas horas boas: uma no leito, outra por ocasião da sua morte”

Caso queiram ver um trecho da ópera de Bizet, clique aqui. Habanera, com Anna Caterina Antonacci no papel de Carmen.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *