Língua

Louva-a-deusa?

6 minutos Com alguma frequência, recebo mensagens perguntando sobre o feminino de algumas palavras, especialmente de substantivos que dão nome a animais. São perguntas do tipo: “Professor, qual é o feminino de louva-a-deus?”. As perguntas se repetem, mudam apenas os animais: cupim, formiga, jacaré, tamanduá-bandeira, peixe-boi… Vamos lá à resposta. A língua portuguesa possui dois gêneros, o masculino e o feminino. Muito substantivos marcam a mudança de gênero pela desinência, por exemplo, porco / porca. Em outros, o radical da forma masculina e o Continue lendo

O dito-cujo

4 minutos Me chamaram a atenção para o fato de que em meus textos revelo gostar do cujo. Não é que gosto de usar o cujo, assim como não gosto de usar gravata. Algumas vezes sou obrigado usar gravata; em outras, sou obrigado a usar o cujo. As gravatas têm uma vantagem sobre o cujo, pois apresentam vários modelos, desenhos e cores; mas o cujo é sempre cujo. No máximo, ele sofre variações de gênero e número para concordar com o termo a que Continue lendo

Implicaturas

3 minutos Nesta semana postei em minha página no Facebook a seguinte frase: “Se você não consegue ficar duas horas sem olhar para seu celular, não vá ao cinema”. As pessoas devem ter percebido que, nessa frase, o sentido vai além do que está expresso. Não preciso dizer qual sentido pretendi transmitir com essa postagem. Ao utilizar a linguagem verbal, seja na forma falada ou escrita, é fundamental que haja cooperação daqueles que nela estão envolvidos (falante e ouvinte; escritor e leitor). Segundo o Continue lendo

O professor e o louco

4 minutos Está em cartaz nos cinemas o filme O gênio e o louco (The Professor and the Madman) dirigido de Farhad Safinia, com Mel Gibson e Sean Penn nos papéis principais. O filme é razoável, mas está a quilômetros de distância do livro no qual se inspira, O professor e o louco: uma história de assassinato e loucura durante a elaboração do dicionário Oxford, de Simon Winchester, tradução para o português de Flávia Villas-Boas (Companhia das Letras, 2009). Enquanto no filme os protagonistas Continue lendo

Um dos mais belos sermões de Vieira

11 minutos Quando eu era estudante do que corresponderia hoje ao Ensino Fundamental II e Médio, minhas professores (curiosamente todas eram mulheres) nos faziam ler os Sermões do Padre Vieira. Confesso que, para a garotada, os assuntos dos Sermões podiam não ser os mais palpitantes; mas quando eu lia os Sermões do Vieira, ficava encantado sobretudo pela forma como ele usava a língua para comunicar algo. Eu ficava “babando” ao perceber o raciocínio lógico que ele usava para convencer por meio do Sermão. A Continue lendo