Língua

O professor e o louco

4 minutos Está em cartaz nos cinemas o filme O gênio e o louco (The Professor and the Madman) dirigido de Farhad Safinia, com Mel Gibson e Sean Penn nos papéis principais. O filme é razoável, mas está a quilômetros de distância do livro no qual se inspira, O professor e o louco: uma história de assassinato e loucura durante a elaboração do dicionário Oxford, de Simon Winchester, tradução para o português de Flávia Villas-Boas (Companhia das Letras, 2009). Enquanto no filme os protagonistas Continue lendo

Um dos mais belos sermões de Vieira

11 minutos Quando eu era estudante do que corresponderia hoje ao Ensino Fundamental II e Médio, minhas professores (curiosamente todas eram mulheres) nos faziam ler os Sermões do Padre Vieira. Confesso que, para a garotada, os assuntos dos Sermões podiam não ser os mais palpitantes; mas quando eu lia os Sermões do Vieira, ficava encantado sobretudo pela forma como ele usava a língua para comunicar algo. Eu ficava “babando” ao perceber o raciocínio lógico que ele usava para convencer por meio do Sermão. A Continue lendo

O conge do Moro

3 minutos Preliminar: não estou defendendo Moro. Tenho sérias restrições a várias decisões e atitudes por ele tomadas como juiz e como ministro. Sobre o episódio do “conge”, li manifestações que condenavam o ex-juiz não só pela pronúncia mas também por ter usado essa palavra. A alegação era que se trata de palavra esdrúxula e própria do jargão jurídico, portanto não conhecida de grande parte da população. Li comentários sugerindo que o ministro usasse as palavras “mulher”, “companheira” e outras que nem vale gastar Continue lendo

Ambiguidades

8 minutos Notícia publicada na Folha de S. Paulo, edição de 28 de março, p. C8, me obriga a retomar assunto já discutido nesse espaço. Para quem não teve a oportunidade de ler o post anterior, retomo alguns conceitos lá apresentados. O título da notícia publicada na Folha de S. Paulo a que me refiro é: Obra roubada de Picasso é entregue em saco de lixo. Se o leitor se restringir à leitura do título poderá ficar em dúvida se o objeto do roubo Continue lendo

Paternidade

3 minutos No artigo, discorro sobre a palavra paternidade. Trata-se de um vocábulo, como grande parte de nosso léxico, procedente do latim: paternitate. Na passagem do latim para o português o t intervocálico (um fonema linguodental oclusivo surdo) se sonoriza e se transforma em d: paterniTaTe se transforma em paterniDaDe. Em Latim, paternitate é “sentimento de pai”, ou seja, não se aplica necessariamente ao pai biológico, mas àquele que mantém com relação a outrem sentimento de pai, tanto que o substantivo paternidade, precedido de Vossa, é usado para tratamento a religiosos: Dirijo-me Continue lendo