Comumente é assim

Tempo de leitura: 1 minuto

Em 1973, um jovem e entusiasmado aluno de Letras da FFLCH-USP, que também amava poesia, correu mais de uma vez ao Teatro Cacilda Becker para assistir a um espetáculo teatral, dirigido por Flávio Império, a partir de uma ideia de Walmor Chagas (1930 – 2013), chamado Labirinto: balanço da vida.


Walmor, sozinho em cena, dizia poemas (ou trechos de poemas) de vários autores, como Fernando Pessoa, Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Rimbaud, D.H.Lawrence, José Régio. Até hoje, 46 anos passados, o ainda jovem e não menos entusiasmado estudante de Letras tem na lembrança alguns dos poemas ditos por Walmor.

O tempo não conseguiu apagar da sua memória poemas como A barca da morte, de D.H. Lawrence e Cântico Negro, de José Régio, entre outros.


Ontem à noite veio à cabeça do estudante uns versos de um poema de Maiakovski que Walmor dizia no espetáculo. O estudante lembrou os versos, mas a mente cansada, não conseguia pô-los na ordem em que aparecem no poema. A mente, obnubilada, impedia que o sono chegasse. Começou a se sentir como o Pestana, de O homem célebre, do Machado. Desesperou-se e teve de recorrer à internet para achar a ordem em que Vladimir Maiakovski dispôs os versos de

Comumente é assim

Cada um ao nascer 
traz sua dose de amor, 
mas os empregos, 
o dinheiro, 
tudo isso, 
nos resseca o solo do coração. 
Sobre o coração levamos o corpo, 
sobre o corpo a camisa, 
mas isto é pouco. 
Alguém 
imbecilmente 
inventou os punhos 
e sobre os peitos 
fez correr o amido de engomar. Quando velhos se arrependem. 
A mulher se pinta. 
O homem faz ginástica 
pelo sistema Muller. 
Mas é tarde. 
A pele enche-se de rugas. 
O amor floresce, 
floresce, 
e depois desfolha.

PS.: o jovem estudante de Letras ficaria extremamente agradecido se não perguntassem a ele por que o poema de Maiakovski lhe veio à cabeça.

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *