Metonímia ou sinédoque?

Tempo de leitura: 3 minutos

Em artigo anterior em que discutia a “diferença” entre antonomásia e perífrase, destaquei que, a rigor, as figuras de retórica podem ser resumidas a apenas duas: a metáfora, quando a transposição de significado decorre de uma relação de semelhança, e a metonímia, quando a alteração de significado decorre de uma relação de contiguidade, isto é, de proximidade. Ressalto ainda que, nas figuras de retórica, o que ocorre é um excedente de significado, já que ao sentido original agrega(m)-se outro(s). Alguns autores fazem uma distinção entre metonímia e sinédoque. No artigo, defendo que a diferença entre elas não é de todo relevante, por isso prefiro usar apenas o termo metonímia, por englobar o de sinédoque.

A metonímia, assim como a metáfora, consiste numa transposição de significado, isto é, uma palavra que usualmente designa uma coisa passa a designar outra, acrescenta-se ao sentido original um outro sentido. Na metonímia, a transposição de significado não é feita, como na metáfora, com base em traços de semelhança, e sim por uma relação lógica de proximidade entre os termos (a parte pelo todo, o autor pela obra, o efeito pela causa, o continente pelo conteúdo, o instrumento pela pessoa que o utiliza, o concreto pelo abstrato, o lugar pelo produto, o gênero pela espécie, o singular pelo plural, o particular pelo geral, etc.), como se pode observar nos exemplos que seguem.

Não tinha teto em que se abrigasse. (Teto em lugar de casa = parte pelo todo.)

Procurou no Aurélio o significado daquela palavra. (Aurélio em lugar de dicionário = autor pela obra.)

“Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto.” (Machado de Assis)
(Pão no lugar de alimento = o particular pelo geral; suor do meu rosto no lugar de trabalho = o efeito pela causa.)

Como afirmei, há autores distinguem metonímia de sinédoque. Consideram a figura como sinédoque quando a relação entre os termos é quantitativa, ou seja, pelo aumento ou diminuição da significação de uma palavra. As relações entre os termos são basicamente as seguintes: parte pelo todo, singular pelo plural, gênero pela espécie, o particular pelo geral (ou vice-versa).

Consideram a figura como metonímia quando a relação entre os termos é qualitativa. Na metonímia, há uma implicação entre os conceitos que decorre de uma relação de contiguidade entre eles. As relações entre os termos são: a causa pelo efeito, o continente pelo conteúdo, o autor pela obra, o lugar pelo produto, o instrumento pela pessoa que o utiliza, etc.

Há um caso de metonímia que ocorre em nomes próprios. É o caso de artistas que incorporam ao seu nome o nome do instrumento que utilizam: Paulinho da Viola, Jacó do Bandolim, Nélson Cavaquinho, Jackson do Pandeiro.

Como se pode notar, a diferença entre metonímia e sinédoque é bastante sutil e a distinção que se faz entre elas não é de todo relevante. Como o conceito de metonímia abarca o de sinédoque, a maioria dos autores, ao contrário do que acontecia antigamente, não faz mais a distinção entre essas duas figuras, preferindo usar o nome metonímia para designar a figura de linguagem em que a transposição de significado decorre de uma relação de contiguidade material ou conceitual existente entre os termos. É essa a posição que adoto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *