Literatura

O jogo da carona, de Milan Kundera

2 minutos Neste artigo, falo do conto O jogo da carona, do livro Risíveis amores (Companhia das Letras, 2012), do escritor checo Milan Kundera. Sobre este livro, Kundera diz algo que A. J. Greimas dizia a seus alunos. O ensinamento de Greimas chegou até mim pela voz de uma de suas discípulas, Diana Luz Pessoa de Barros, que me deu a honra de supervisionar pesquisa que desenvolvi sobre o discurso da interdição na obra Crônica da Casa Assassinada, de Lúcio Cardoso. Diana conta que Continue lendo

A borboleta preta

8 minutos O capítulo 31 de Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, narra um episódio sobre o qual quero dizer algumas palavras,  o capítulo se chama A borboleta preta e, para quem não se lembra do que é narrado, reproduzo-o ao final deste artigo. Trata-se de texto narrado em 1a. pessoa como se observa pelas marcas linguísticas do narrador espalhadas pelo texto, representadas por formas verbais de 1a. pessoa (ri, entrei, sacudi, senti, lancei, fiquei etc.), e por pronomes de 1a. pessoa (preparar-me, lembrou-me, ri-me, pousou-me, eu, meu pai, me aborreceu etc.). Textos Continue lendo

Duas poetas: duas poesias inéditas

2 minutos Hoje, trago para vocês dois poemas inéditos de autoras diferentes. Socorro Maria Lopes e Jessyca Pacheco. Ao final do artigo, explico por que coloquei duas poesias e não uma apenas. Socorro, que conheci há poucos dias, é de Pacaraima, uma cidade de Roraima, fronteira com a Venezuela. Além de escrever poesia, Socorro é professora e tradutora e gosta muito de música cubana. Me apresentou as canções de Silvio Rodriguez e eu fiquei babando (aliás, não parei ainda de babar). Não resisti aos Continue lendo

A mulher que vendeu o marido por R$1,99, um cordel de Janduhi Dantas

4 minutos Há alguns anos, li uns cordéis de Janduhi Dantas numa revista. Fiquei encantado e resolvi mandar um e-mail para ele, pois queria comprar sua gramática em cordel. Gentil, Janduhi não só me respondeu em versos de cordel em que mostra toda sua maestria, como também me mandou vários cordéis, inclusive o A mulher que vendeu o marido por R$1,99.  Guardo os versos em que ele me respondeu até hoje e os reproduzo a seguir. “O gramático Ernani Terra de  quem sou grande Continue lendo

A foto, conto de Enrique Anderson Imbert

1 minuto Há pouquíssimo tempo postei aqui a tradução que fiz do conto O suicida, do escritor argentino Enrique Anderson Imbert (1910 – 2000). Quem quiser lê-lo é só clicar no aqui. Publico hoje outro conto de Imbert, em tradução minha. Repito o que disse na postagem anterior: não sou tradutor, portanto não esperem lá grande coisa desta minha tradução. O conto se chama A foto. Como tantos outros da obra do escritor argentino, trata-se de um miniconto. A foto Jaime e Paula se casaram. Já durante Continue lendo