Mourejar

2 minutos Mourejar por ERNANI TERRA © Como já disse num post anterior gosto de usa a expressão “trabalhar feito um mouro” em vez de dizer “trabalhar muito”, “trabalhar pra karai”. Me soa mais original. Poderia, a bem da concisão, substituir a comparação por um único verbo: MOUREJAR. Gosto desse verbo porque ele se parece comigo. É um verbo intransitivo, quer dizer, não tem complemento. Sozinho ele se basta para predicar um sujeito qualquer. No máximo, ele admite uma companhia circunstancial como em Ele Continue lendo

Ambiguidades

Ambiguidades

10 minutos Ambiguidade Por Ernani Terra © Uma mensagem bastante engraçada que vi no Facebook outro dia me deu o mote para escrever sobre algo que se costuma apontar como um defeito de linguagem. A mensagem é a seguinte:   O efeito de humor decorre de uma dupla leitura que se pode dar à frase. O analista empregou o pronome as para substituir cartas, evidentemente. Na leitura que o paciente fez, o as se refere a pessoas e não a cartas. Em resumo, analista: Continue lendo

Fake news e norma culta

Fake news e norma culta

4 minutos ​ERROS GRAMATICAIS Quem me conhece sabe qual é a minha postura em relação àquilo que popularmente chamam de erros de português ou erros de gramática. Há anos venho mostrando que erro seria o falante usar a língua em desacordo com sua gramática natural, aquela que todo falante domina, independentemente de escolarização. Assim seria erro um falante dizer em devora silêncio te tempo o em vez de o tempo te devora em silêncio. Mas é claro que ninguém comete esse erro. O que Continue lendo

Quem matou Roland Barthes?

Quem matou Roland Barthes?

3 minutos Quem matou Roland Barthes?  Quem matou Roland Barthes? é o título de um romance de Laurent Binet, publicado no Brasil pela Companhia das Letras em 2016.  Binet recebeu em 2010 o Prêmio Goncourt por seu romance de estreia, HHhH.Teria muito a falar do livro, mas vou me restringir a comentar apenas o título, porque ele me chamou a atenção. Títulos são contextualizadores prospectivos, isso significa que sinalizam ao leitor o que ele vai encontrar, ou seja, os títulos, de certa forma, antecipam o assunto tratado. Nos dias de Continue lendo

Variação linguística e norma culta

8 minutos Neste post, apresento algumas reflexões sobre variedade linguística e norma. Destaco que costuma haver, mesmo entre professores, uma certa confusão envolvendo os termos norma-padrão, norma culta, variedade culta. A confusão é justificável, já que, mesmo entre linguistas, costuma haver diferenças no uso desses termos. O que segue é uma proposta de nomenclatura, ressaltando que ela tem por fundamento as teorias linguísticas mais atuais. NORMA PADRÃO O que se denomina norma-padrão não é uma variedade da língua, ou seja, não representa um uso efetivo Continue lendo