Preferia não fazê-lo, Bartleby

10 minutos I would prefer not do Hoje, falarei de Bartleby, o escrevente, de Herman Melville, que, embora tenha sido lançado por uma editora como novela, considero um conto com uma certa extensão, e somente por isso não foi incluído no livro O conto na sala de aula, escrito por mim e por Jessyca Pacheco, e lançado no final do ano passado pela Editora InterSaberes. Entre as leituras mais prestigiadas estão as feitas por Deleuze e Agamben. O primeiro desmonta as teses dos filósofos Continue lendo

O coração de Alzira

2 minutos Por Ernani Terra © Neste post, continuo na tecla do último, em que comentei o conto Viagem aos seios de Duília,  autor nacional, personagem feminina, solidão, com um ingrediente adicional: o amor.  Mas adianto: não esperem um conto de amor suave e com final feliz. Quando sugerir um conto de fadas, lembrarei disso. Mas agora quero falar do amor como busca, como desejo que nos move a um encontro, como a necessidade da alteridade, do completar-se no outro, porque amor é um Continue lendo

Em busca do espaço perdido

4 minutos Por Ernani Terra ©   Há alguns anos tenho centrado minhas reflexões e pesquisas na categoria espaço, mais especificamente, como o espaço se manifesta nas narrativas.  Tenho colocado como hipótese de que a memória está no espaço e não no tempo. Acabei de ler um dos contos mais belos de nossa literatura que mostra isso com muita poesia.  Trata-se de Viagem aos seios de Duília, de Aníbal Machado, do livro A morte da porta-estandarte, Tati, a garota e outras histórias (Editora José Olympio).  O conto narra a história de José Maria, um Continue lendo

Notícias, um conto de Artur Oscar Lopes

3 minutos   Na década de 1970, a Editora Brasiliense lançou uma coleção denominada Contos Jovens, coordenada por Gilberto Mansur e Marisa Lajolo. Livros fininhos, que traziam contos de novos autores. No volume 3 desta coleção, há um conto incrível chamado Notícias. Seu autor, Artur Oscar Lopes, na época com 24 anos de idade. Usei esse conto muitos anos em minhas aulas. Posteriormente, coloquei-o num livro meu. Passou-se um tempo e acabei trocando uns e-mails com Artur e, emocionado, fiquei sabendo que uma aluna dele Continue lendo

Trabalhar feito um mouro

3 minutos Por Ernani Terra © Quando era aluno de Letras na USP,  o texto Linguística e Poética, de Roman Jakobson era leitura obrigatória.  Nele, o linguista russo fala da função poética da linguagem, aquela em que a mensagem se volta para a própria mensagem, para seu aspecto sensível. Ao contrário da função referencial, que se volta para o referente, aquilo que se diz, quando se usa a função poética estamos mais voltados ao como se diz do que ao que se diz. O Continue lendo